Os artigos assinalados como Voz do Libertário são da exclusividade dos militantes da associação Partido Libertário e refletem a opinião pessoal dos respectivos autores.

Select Page

Do they know it’s communism?

Sabiam que Tedros Adhanom, o presidente da WHO (World Health Organization, organismo das Nações Unidas), aquele tipo que, dia sim dia não, tem recomendado os confinamentos em memória do comunavírus, é um artista que fazia parte de uma das maiores bandas mundiais, a mesma banda que em 1985 ajudou a organizar o Live Aid, USA for Africa e até o Band Aid?

Passados estes anos todos, é impressionante ver como este grupo de malta da pesada, continua em digressão pelo mundo a fora e a cantar as mesmas letras, com os mesmos resultados. É verdade, a banda de Tedros, os comunistas etíopes, foram os responsáveis por organizar a fome na Etiópia que motivou os concertos e estão hoje em dia, 35 anos depois, a repetir o desastre.

Quem não se lembra da fome na Etiópia em 1984-85? Das crianças cobertas de moscas, olhos fora da órbita e barrigas inchadas de nada? Foi impressionante, tão impressionante quanto o movimento pop que se juntou à volta da tragédia, pensado para levar ajuda àquelas pessoas.
Band Aid, USA for Africa, Live Aid – Uma sequência emocionante de um movimento imparável, que juntou as lendas vivas da música pop, com brilho da maior tele-transmissão conhecida e auto-satisfação das pessoas felizes, tudo numa escala quase equivalente ao sofrimento que afetava as crianças da Etiópia.

Mas não resultou. E não foi porque as crianças com fome em África não soubessem que era Christmas, até sabiam, os etíopes são cristãos. O problema, foi que as crianças que éramos nós e assistiram ao concerto na televisão, não sabiam que era o Comunismo a causa de toda aquela fome e desgraça.
A Ethiopia sempre foi um país muito fértil, com excedentes alimentares. O único país de África negra a sustentar um governo medieval, tão forte que ocupou Meca, rivalizava com Constantinopla, construiu Castelos, Catedrais e gerava as próprias lendas, como as minas de Salomão, a Arca da Aliança, até o Preste João.

Até ao fim do Século XIX, a riqueza agrícola etiope permitiu-lhe ser a única nação africana a não ser ocupada pelos impérios coloniais e o único a rechaçar um invasor europeu (humilhando a Itália). Foi assim até 1974, quando chegou a única coisa capaz de derrubar qualquer civilização, o comunismo.
Desde 1974 até 1987, a Etiópia foi governada pelo Derg, um partido comunista assassino e cruel, como todos os comunistas são. Que aplicando à letra o manifesto comunista, nacionalizaram os meios de produção, instituíram o planeamento central da economia, criaram uma casta de dependentes do estado e meteram-se em guerras que ninguém pode ganhar.

Precisamente as mesmas medidas, pelo comunavírus, que agora estão a ser seguidas pelos governos mundiais: Fechar negócios a eito; Planos de re/desconfinamento centralizados; estímulos e layoffs e moratórias para criar dependentes; Fechar fronteiras, matar o turismo e as oportunidades.
Não é coincidência, e os resultados, as filas de pessoas com fome intermináveis, não são inesperados. Como sempre se acontece em todos os lugares onde se implantou o comunismo, ou qualquer coisa parecida com o comunismo, os resultados são trágicos, chocantes, fatais. O comunismo desde, que foi implementado já matou mais de 100 milhões de pessoas, 1 milhão por ano, o mesmo número do vírus em 2020.

1985 foi apenas mais um desses anos, a vítima visível do comunismo de então, a Etiópia, desde sempre o lugar mais rico de África, tornou-se no mais pobre, fazendo as suas crianças sofrer de uma fome que comoveu o mundo, a ponto de inspirar algumas das mais bonitas músicas de que há memória.
Só que infelizmente as músicas não alimentam ninguém. O que alimenta, dá prosperidade, faz pessoas felizes, é a liberdade. E de todas as coisas boas que o movimento Live Aid fez, não fez a única coisa que uma música pode fazer, alertar.

Nos anos 80 faltou avisar que a Etiópia é uma vítima do Comunismo. Faltou explicar que aqueles mesmos monstros que nos anos 80 em Africa chacinavam de fome crianças inocentes, estão agora gordos em nova york, sentados na ONU, a comandar o Grande Reset, ao comando do governo mundial do comunavírus. Já vimos esta história, já sabemos como vai acabar.

Free the World, Free the World, Don’t let Communism kill this time.

Post Anterior

Post Seguinte

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pin It on Pinterest