Os artigos assinalados como Voz do Libertário são da exclusividade dos militantes da associação Partido Libertário e refletem a opinião pessoal dos respectivos autores.

Select Page

Alquimia Monetária

Se há coisa que toda a gente concorda, é que há falta de dinheiro, muita. Era tão melhor ter mais dinheiro, pois, sejam quais forem as chatices actuais, com mais dinheiro, elas não iriam piorar. Ora, se é assim consensual, porque é que não se fabrica mais?

Por causa da inflação, certo? Errado. Imprimir dinheiro nem sempre causa inflação, mas mesmo quando causa, isso não iria desanimar nenhum governante. A principal razão é que regra geral as pessoas nem fazem ideia do que é o dinheiro, sendo por esse defeito, tragicamente fáceis de enganar.Ao contrário do que imaginam, dinheiro não é bem aquilo que carregam na carteira, ou acham que têm no banco, isso são essencialmente dívidas e não é crédito, uma diferença importante, que para ser explicada, ajuda ir até ao princípio, bem lá atrás, à idade da pedra.

Quando o dinheiro foi inventado, lá nesses tempos antigos, ele não era ainda composto de zeros e uns num sistema informático, nem sequer de notas, moedas ou ouro, era apenas crédito. E o crédito é o literal oposto das dívidas. Ter crédito significa que outros acreditam. Crer, que está na raiz da palavra. Tem crédito quem os outros acreditam ser capaz de cumprir com a sua palavra.

Nas sociedades primitivas, a riqueza exibia-se pela capacidade de juntar coisas especialmente trabalhosas de arrebanhar. Por exemplo: Cascas de caranguejo na Terra do Fogo; Discos de pedra furada trazidos do outro lado do mar na ilha Yap; Ouro à volta do mediterrâneo; Cigarros nas prisões; Bitcoin nas garagens dos nurds. Quem fosse capaz de acumular essas raridades, era porque tinha recursos para estar vivo e ainda por cima poupar. Era rico, tinha crédito, podia-se confiar na capacidade de pagar, nem que seja cedendo essas mesmas relíquias raras, então entendidas como sendo dinheiro.

Avançamos uns séculos e os governantes, gente notoriamente pouco confiável, sem nenhum crédito, decidem dar a volta ao texto, ocorre-lhes fazer uma alquimia e passam a chamar às dívidas que criaram de crédito, como num passe de mágica. Bem conveniente pois que se há coisa que nunca escasseia nos governos são as dívidas, é até a única coisa que os politicos podem fazer. Reformas e pensões, salários dos funcionários, direitos laborais, preços mínimos legais, bancos centrais, déficit orçamental, são só dívida, mais nada.

Não por acaso, e mais ou menos ao mesmo tempo, os bancos, que já de há muitos séculos tinham perdido a ilusão de prestar um serviço para o público, para se tornarem num serviço público que não presta, alinharam na transmutação e introduziram eles algumas inovações.

– Passaram a chamar de crédito às dívidas. Usando, para confundir, a linguagem invertida, em que as palavras agora significam o seu contrário. Exemplo: Quem deve dinheiro porque comprou uma casa, tem um credito habitação.

– Na confusão assim criada, os bancos juram que quanto mais mais gastarem mais robustos e sólidos ficam. Exemplo: Toda a despesa que fazem com publicidade, dizem que aumenta o valor da marca e assim um anúncio na TV como como um lucro.

– Já que uma coisa é o seu contrário, o dinheiro que as pessoas põem nos bancos para lá guardar, eles consideram que foi dado e assim já o podem gastar. Como quanto mais dinheiro gastam, melhores são os seus resultados, toca a gastar mais e ainda por cima cobrar comissões, coitados.

Para ilustrar como se aplicam estes pilares da moderna actividade bancária, eis um exemplo real. Há um tempo atrás, a CGD esbanjou uma fortuna anormal para construir um imenso mamarracho sede. Anos mais tarde, o banco vendeu-se o edifício ao próprio fundo de pensões do banco, registrando um lucro extraordinário com a operação. Quem está à espera que algum bom senso neste caso, não tomou a devida atenção aos pontos atrás explicados.

Adiante, está encontrada a causa para a falta de dinheiro. Caso estejam distraídos com aquilo do dinheiro que meteram no banco é do banco para gastar, é o seguinte: (1) Os governos chamam dinheiro às dívida que fazem e dão-no aos bancos; (2) Os bancos gastam à fartazana, pois dizem que quanto mais gastarem melhores os seus resultados; (3) Mais dividas é menos crédito, são opostos; (4) Sem crédito, não há riqueza, e prontos está tudo lixado.

Só para piorar, na pandemia de alergia ao trabalho, conhecida por comunavírus, popularizou-se uma inovação bancária, as moratórias ao crédito, que tem deixado muita gente com dinheiro no bolso a sobrar, bem disposta e motivada para argumentar que tem medo à tosse.Infelizmente, todo o dinheiro das prestações que os bancos adiaram, estão a recolher em dobro nos governos, que para isso criam mais dívidas, destruindo mais crédito, deixando toda a gente a arder no fogo, pobres, sem crédito, nem sequer umas cascas de mariscada. É a alquimia bancária, eles ficam com o ouro deitando lixo para cima do resto da maralha.

Post Anterior

Post Seguinte

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pin It on Pinterest